ESPAÇO DE TERAPIAS ORIENTAIS E MASSOTERAPIA

MASSAGENS - TERAPÊUTICA, ESTÉTICA, RELAXANTE, DRENAGEM LINFÁTICA

ESTÉTICA FACIAL E CORPORAL

VENTOSATERAPIA
MOXABUSTÃO
ACUPUNTURA (TRADICIONAL CHINESA)
STIPER
GEOTERAPIA
CROMOTERAPIA
AROMATERAPIA
MAGNETOTERAPIA

ESTÉTICA FACIAL COM ACUPUNTURA OU MAGNETOTERAPIA

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

O QUE É MAGNETOTERAPIA

Tratamento facial e corporal aplicado nos pontos de acupuntura onde se faz passar uma corrente elétrica nos imãs o que gera um intenso campo magnético. É um tratamento natural a base de imãs que regularizam e harmonizam a circulação de energia no corpo humano. No tratamento corporal é utilizado desde 1990 (no Brasil) para atenuar dores agudas e crônicas. Ação:

*Estimula os pontos de acupuntura (ideal para quem não gosta de agulhas).

*Promove a circulação de Qi (energia).

*Promove a circulação de Xue (sangue).

*Promove a circulação de Jin Ye (dos líquidos orgânicos).

*Aumenta a viçosidade da pele.

O QUE É STIPER E COMO FUNCIONA

 Stiper é 100% Cristal de Rocha (Quartzo) em forma de pastilha hipoalergênica. Não tem contraindicação e não provoca efeitos colaterais. O stiper é aplicado com adesivos sobre os pontos de acupuntura ficando com o paciente de três a cinco dias; por isso ele potencializa os efeitos da acupuntura. Na acupuntura facial dá os seguintes resultados:

*Aumento da circulação sanguínea.

*Melhora da circulação linfática.

*Melhora da circulação energética.

*Estimulação da produção de colágeno.

Dietética Chinesa


Faz parte dos tratamentos citados acima. Segundo a MTC (Medicina Tradicional Chinesa) cada alimento tem uma função energética que deve ser usada pera ajudar a equilibrar o organismo ao dispersar energias que estejam em excesso e fortalecer as que estão enfraquecidas, promovendo a saúde e equilíbrio do todo: corpo mente e emoções.

O QUE É MOXABUSTÃO OU MOXATERAPIA

Um dos métodos mais antigos de tratamento natural da humanidade, é a queima da Artemísia Vulgaris sobre os pontos de acupuntura. Este processo promove o aquecimento e a tonificação do Qi, do Yang Qi e Xue (energia, energia Yang e sangue). É muito usada para tratamentos reumáticos e respiratórios além de ser um excelente aliado no tratamento de rugas. Ação na estética facial:


*Estimula a produção de colágeno.

*Aumenta a circulação de sangue e energia (Qi e Xue), proporcionando uma maior viscosidade da pele.


O QUE É VENTOSA OU VENTOSATERAPIA


Trata-se da aplicação de uma espécie de cúpula (antigamente de bambu) oca colocada sobre a pele nos pontos de acupuntura produzindo uma pressão interna negativa através da sucção ou calor. Na estética facial libera estagnações de energia e líquidos e promove a circulação de energia e sangue.


Na estética corporal libera estagnações de líquidos (drenagem linfática). Dá ótimos resultados para aliviar dores nas costas e dissolver contraturas musculares.

quarta-feira, 11 de abril de 2012

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E SUA ABRANGÊNCIA

A MTC – Medicina Tradicional Chinesa – é antes de tudo uma Tradição milenar que se espalhou pelo mundo com a abertura da China e hoje é amplamente difundida e praticada pelo mundo.

            São instrumentos da MTC: o martelo de sete pontas, as ventosas, a moxa, a acupuntura, as agulhas da MTC (que são diferentes e tem no seu formato a representação de sua filosofia), as agulhas triangulares, o Qi Gong. Mas aqui não vou falar sobre as ferramentas nem das técnicas utilizadas, mas sim das instruções e VIVÊNCIAS que a Tradição possibilita para os estudantes de MTC.

            Uma das primeiras instruções que temos nas aulas de MTC e que se deve entender é que o terapeuta é apenas um MEDIADOR e um INSTRUMENTO e não o próprio agente da cura. Um mediador precisa ser treinado (entre tantas outras técnicas) a estar centrado e em equilíbrio, com a mente serena, silenciosa, tranquila. Deve praticar a conexão com o Plano Celeste, Plano Terrestre e o Plano Humano. A prática de Qi Gong (se pronuncia ti cun) e a Meditação da Órbita Microcósmica são vivências que nos trazem de volta ao nosso devido lugar: centrados e em harmonia, sentindo fazer parte do TODO, fundidos ao Plano Celeste, Terrestre e Humano de forma humilde, em interconexão. Por isso é que se pratica MTC descalço (no máximo com meias), porque como mediadores precisamos estar ancorados na Terra enquanto mantemos a conexão com o Celeste. As práticas citadas acima nos ensinam a nos centrar e captar estas energias, ampliá-las e usá-las para nos reforçar e manter nossa saúde enquanto nos prepara para atendermos os pacientes.

            Na MTC durante todo o trabalho terapêutico a quietude mental e a serenidade mental são imprescindíveis para que haja a ENTREGA INCONDICIONAL ao momento (tal terapeuta é treinado para estar 100% presente). O terapeuta define a INTENÇÃO do trabalho que vai realizar: saber o que vai fazer e para que. A intenção é pré-definida para que a entrega possa ser mantida durante todo o atendimento e para que a intenção seja comunicada aos planos que nos assistem. É interessante verificar que as Tradições Antigas davam ênfase para a COMUNICAÇÃO DA INTENÇÃO, que deveria ser enviado ao Plano Celeste para que este pudesse intervir.  Assim os índios norte americanos acendiam a fogueira ritual para enviar o “sinal de fumaça” ao Plano Celeste. Como se pode pedir assistência se não se sabe, não se identifica ou não se comunica a intenção?

            1° Vivenciamos e somos treinados a nos centrar, mantendo a quietude e serenidade;

            2º somos treinados na entrega incondicional ao trabalho proposto;         

            3° aprendemos a definir a intenção do trabalho de cura e a pedir a assistência dos três planos;

            4° aprendemos sobre as melhores técnicas e ferramentas que a MTC nos colaca a disposição para cada caso;

            5° aprendemos a manter a fé e a paciência independente dos resultados. Porque em MTC se leva em consideração o MERECIMENTO e com isto não nos referimos ao que “achamos que merecemos”, mas sim do que a Providência considere que mereçamos. Em MTC o paciente também deve fazer a sua parte para ter este merecimento: também deve se entregar incondicionalmente ao tratamento; deve interagir ativamente no processo cuidando da alimentação que deve ser equilibrada; evitando os elementos do entorno que lhe afetam negativamente (pessoas, ambientes, situações estressantes e desgastantes, etc.); deve se “alimentar” psíquica e emocionalmente de forma positiva (evitar emoções, pensamentos e atitudes negativas); procurar alimentar sua alma com leitura e entretenimentos construtivos e de conteúdo; procurar quebrar com rotinas maçantes e ambientes hostis, etc. Isto é, deve seguir a premissa “Mereço apenas o melhor” e AGIR DE ACORDO; preferencialmente agindo para merecer a assistência solicitada.

            A MTC é uma Tradição, é o mais antigo. Tão antiga que tem sua origem perdida num tempo considerado “mitológico” e tem suas bases fundamentadas nos lendários Imperadores Celestes: o Imperador Vermelho Shen Nong, o Imperador Amarelo Huang Di, o Imperador Branco Fu Shi; cada qual responsável por um legado inestimável à espécie humana (mas este já é outro assunto). Este é o trabalho básico do primeiro ano de estudo da MTC feito paralelamente ao estudo sistemático da filosofia da Medicina Chinesa, do estudo dos canais, órgãos e vísceras, das ferramentas, da avaliação energética funcional do paciente; do estudo das ferramentas, da anatomia, etc. E um estudante de MTC não pega em agulhas entes do primeiro ano de estudo e quando o faz é sob supervisão dos seus Mestres. É um estudo amplo, complexo e fascinante que nos coloca num contexto de maior responsabilidade por nós, nossas atitudes diárias e nosso diálogo com o ambiente e os planos que nos rodeiam. Acima de tudo é um estudo que faz nosso ego se esfacelar diante de nossa pequenez frente à complexidade de nossa natureza, de nosso corpo e seu funcionamento e do mundo em que vivemos. É um estudo que ao mesmo tempo nos “enraíza”, nos coloca em conexão e fazendo parte efetiva da Natureza e com a Mãe Terra enquanto nos eleva ao nos colocar em humilde pedido de assistência ao Plano Celeste (do qual também fazemos parte porque nosso corpo nos é emprestado da Mãe Terra e nossa essência imortal é do Céu). Lembra-nos e nos traz a vivência de sermos todos Mediadores entre essas duas realidades.

Luciana Paula da Silva estudante de MTC.

sábado, 14 de janeiro de 2012

A doença do ponto de vista Oriental – M.T.C.

Temos um governo que nos governa porque somos todos “um bando de desgovernados”? Esta foi a abertura de uma das primeiras aulas de M.T.C. (Medicina Tradicional Chinesa); questão levantada pelo Mestre Júlio Prieto.
            Do ponto de vista Oriental ficamos doentes porque perdemos nosso equilíbrio interior e nossa conexão com a Inteligência Universal; as forças e energias universais. O Oriente vê o homem como uma entidade energética e nosso desafio contemporâneo quando falamos em saúde é reaprendermos a ter esta visão a partir de experiências próprias. Porque somente o indivíduo pode sentir a energia fluindo em seu ser e ninguém pode nos dar esta experiência; sou eu que tenho que ficar atenta para o que me dá bem-estar e para o que me faz mal.
            A melhor medicina é a preventiva, aquela que está à frente da manifestação do desequilíbrio, aquela que ouve os primeiros sinais de que algo está errado e se antecipa, pega um atalho para o reequilíbrio.
            Nossa cultura Ocidental nos incutiu uma visão de homem econômico onde estamos todos à serviço de uma entidade econômica voltada para o consumo, para alimentar a indústria farmacêutica e dar continuidade a um governo que não se interessa pela saúde de seus governados. O governo não tem o menor interesse pela Medicina Preventiva ou formas alternativas e naturais de manutenção da saúde e o povo esta muito ocupado e alienado, escravizado a esta estrutura de forma que nem pensa nas alternativas. As mensagens subliminares são tantas, e as ouvimos com tanta freqüência, que nem nos damos conta de sua gravidade e implicações. As propagandas dizem: ”Antes de comer um gordo churrasco ou sair para a bebedeira tome um “eplev” e resolva o problema”. Isto é, dê continuidade aos mesmos padrões que levam a doenças e desgastes físicos, desde que mantenhas a necessidade de consumir nossas drogas e encher nossos bolsos, trouxa. Então, estamos basicamente voltados para as linhas de produção sem nos realizarmos como seres, empobrecendo nossa cultura ao tornar mendigo (medíocre) o indivíduo que não está mais voltado para enriquecê-lo interiormente e viver com o que pode consumir e usar. Estamos acostumados à necessidade de extravagância, onde nosso “copo nunca cheio o suficiente”, desejando sempre mais de tudo (e desde criança  o sistema cria a necessidade de colecionarmos brinquedos de forma compulsiva, assim como as crianças femininas adultas colecionam compulsivamente sapatos e bolsas...). Este é um dos desequilíbrios de nossa época. Não queremos viver com o básico, mas a ganância e a competitividade e a inveja do que o outro tem e aparente é o que impulsiona o agir. Ninguém se pergunta o que estamos criando como seres para enriquecer e deixar como legado para as gerações futuras. Por exemplo, os índios norte americanos só cortavam a oitava árvore, pois as sete primeiras deveriam ser poupadas para que as próximas sete gerações estivessem asseguradas. Eles não pensavam apenas que suas ações iriam ter conseqüências na geração posterior, mas sim pelas próximas sete gerações; eles agiam hoje conscientes das conseqüências pelas próximas sete gerações. Hoje destruímos e consumimos o máximo que conseguimos sem nos importarmos com mais ninguém – além do próprio ego é claro. Não me espanta porque estamos tendo uma fascinação pelos filmes onde o interesse se volta para os vampiros (nosso reflexo no espelho), pois somos os próprios, sugando a força vital dos outros humanos e de tudo o mais (outros seres como plantas, animais e minerais; nada escapa ao bicho homem).
            Segundo consta, “na época da escravidão” os escravos trabalhavam por roupa, comida e casa. E hoje somos um povo livre, mas que é obrigado a votar; a trabalhar por um salário “mínimo” que quase vive pela sobrevivência, sendo visto e tratado como uma peça (muito facilmente substituível) de abastecimento de uma grande engrenagem da qual se beneficiam poucos e mantém a maioria hipnotizadamente voltada ao consumo desenfreado. Muitas pessoas ligam “o piloto no automático” e trabalham o mês inteiro pensando fixamente no objeto de consumo; não mais vivenciamos os momentos como se fossem os últimos, valorizando nossas oportunidades e procurando o equilíbrio do nosso ser. Nosso ser?   OSHO no seu livro “Intimidade” afirma: “No mundo moderno, a intimidade está desaparecendo. Até mesmo as pessoas que se amam não são íntimas. (...) A razão é que não há nada a compartilhar.” Estamos vivendo a época da “pobreza interior”, da futilidade, da mentira, como padrão a ser seguido.
            A verdade é que cada um deveria ser responsável pela própria saúde, mas hoje temos um alto desenvolvimento tecnológico, com aparelhos cada vez mais sofisticados e remédios mais complexos, mas não há o que chegue, porque cada vez há mais enfermos e hospitais. Porque nossa medicina nutre a si própria ao tornar o enfermo cativo dos medicamentos, das drogas que bombardeiam seu sistema orgânico e de energia sutil. Cada medicamento ingerido tem três ou mais “efeitos colaterais”. Exemplo: tomo um remédio para o ouvido que afeta meu estômago e ao tomar o remédio para o estômago, este afeta meus intestinos ou pulmões e etc., ad infinitum.  
            Se o governo se preocupasse com a saúde de seus governados investiria na Medicina Preventiva e manteria os bairros das cidades com visitas periódicas de incentivo a manutenção da saúde de seus moradores; da boa alimentação (abaixo as bolachas recheadas, os salgadinhos, os refrigerantes, etc.). Quanto aos refrigerantes e água com gás: o gás contém fosfato que não deixa fixar o ferro no organismo favorecendo problemas como anemias (mas ninguém nos informa deste “detalhe”; além de conter bicarbonato que não é inofensivo. Adoecemos porque nos desviamos do caminho, perdemos a conexão e até a identidade, e hoje perpetuamos este padrão os passando para nossos filhos (é só olhar nas escolas e ver os lanches das crianças). Para agravar a situação não temos mais médicos e sim “despachantes” que atendem o maior número de pacientes no menor tempo possível (e às vezes sem sequer olhar para quem está a sua frente), se limitando a prescrever antibióticos e corticóides (que destroem os tecidos moles e formam glaucoma).
             Segundo a Medicina Tradicional Chinesa somos influenciados por três forças que são: celeste, terrestre e humana. As celestes entram pelo nariz fortalecendo ou trazendo doença aos pulmões e intestino grosso (e por isso é tão importante respirarmos adequadamente, levando o ar até a zona infra-umbilical (mas o governo não nos envia ninguém para trabalhar o fortalecimento dos nossos pulmões e músculos diafragmáticos), também não nos importamos com a poluição do ambiente e a qualidade do ar que respiramos (nem os fumantes). A segunda força é a terrestre que vem da Mãe Terra e entra pela boca fortalecendo ou prejudicando os canais do Estômago e Baço/pâncreas. Comemos e bebemos como verdadeiros inimigos de nossas células e organismo, não percebendo que depois de perdermos a saúde da morada de nossa alma (corpo físico) este não pode mais nos manter nesse plano. A terceira força é a humana que vem do que chamamos de “entorno” que é o meio em que vivo, as pessoas com quem convivo, a forma de viver, o trabalho que curto ou detesto, afetando todo meu ser, sobretudo meu psiquismo. Somos o resultado destas três forças operando de forma equilibrada, harmônica e como desgovernados que somos não nos responsabilizamos e não mudamos nenhum dos padrões que poderiam nos beneficiar, caso tentássemos. Somos tão desgovernados que nem nos amamos mais, que nem sentimos mais que este mundo não seria o mesmo se partíssemos deste plano hoje por alguma doença. Cada ser é fundamental à Vida e cabe a nós fazermos jus a vida que pulsa em nossas células. Cabe a cada um de nós questionarmos como estamos favorecendo ou prejudicando nossa saúde. Mas como desgovernados que somos...

domingo, 8 de janeiro de 2012

DOENÇAS NA M.T.C.

PARA A MEDICINA TRADICIONAL CHINESA A PRIMEIRA DOENÇA NASCEU QUANDO A PRIMEIRA MENTIRA FOI PRONUNCIADA.

Sinusite e olhos

Você sabia que a sinusite enfraquece a visão?

Para quem sofre deste problema e quer se prevenir tente acrescentar mais chicória as refeições e usar pedras de água-marinha como pingente ou brinco (próximo às vistas).
Não tem contra-indicação e só traz benefícios.

Como baixar a presão

Você sabia?

Para baixar a pressão arterial experimente colocar os pés em água gelada por um tempo.
OBS.: Para quem não for diabético.